Saiba quais são os gastos com um imóvel após a compra

O sonho da casa própria é antigo! Quem ainda não conseguiu, com certeza, o tem como objetivo, quem já chegou lá sabe que não foi fácil. São muitos planejamentos e economias para se conseguir comprar um imóvel. Porém, é preciso estar atento que os investimentos não acabam depois que você adquire um imóvel. Existem diversos gastos após a compra do imóvel. São diversos os tipos de documentos que você precisará administrar para que o imóvel esteja em seu nome e legalmente liberado para uso.

Vamos entender quais são esses documentos?

Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI)

Esta é uma taxa cobrada pela prefeitura sempre que é realizada a compra um imóvel, que pode custar até 2% do seu valor total. Quando os imóveis custam menos do que R$ 73.256, essa porcentagem é menor.

Essa taxa pode variar a partir da localidade do imóvel, vai depender da cidade que está inserido. Essa mudança advém dos impostos, que são cobrados de acordo com lei municipal. É realizado um cálculo para a cobrança desse imposto e, geralmente, será cobrado o valor baseado na transição do imóvel, ou seja, o valor real que foi pago pelo imóvel.

Pode-se dizer que existem dois valores para um mesmo imóvel: o valor venal (preço avaliado do imóvel no mercado e o valor de transação) e o preço real (exatamente o que foi pago)

Registro do imóvel

Para que o imóvel continue pertencente ao proprietário, pela lei, será necessário realizar o registro do imóvel em cartório. Somente após efetuar esse registro que ficará comprovado o nome do proprietário como dono do imóvel. A regra para cobrança do valor do registro também varia de acordo com as leis do estado, além de considerarem o preço do imóvel.

Escritura pública

A escritura pública é cobrada quando a transação do imóvel for realizada com pagamento à vista. Quando um imóvel for financiado, o contrato feito com o banco já tem validade de escritura. Entretanto, essa taxa também podem variar de estado para estado, assim como conforme o preço do imóvel. 

Financiamento com a Caixa

Esses documentos são caros, porém a Caixa Econômica Federal tem uma opção de financiamento de imóvel que abrangem os valores de gastos com ITBI e registro, já dentro do empréstimo. Isso quer dizer que a Caixa empresta o valor para a compra do imóvel e disponibiliza, ainda, até 4% do valor do financiamento para pagar despesas com estas taxas administrativas.

casa

 

Despesas com reformas

Hoje em dia, é muito comum a comercialização de imóveis usados, e, por isso, é possível que sejam necessários alguns reparos. Com isso, podem surgir diversos gastos que variam entre mão de obra e o material necessário.

Dependendo do tamanho da reforma, além de dinheiro, você tenha que demandar tempo. Por esse motivo, é importante se atentar nas condições do imóvel e o seu valor antes de comprá-lo. Faça um cálculo para saber quanto será gasto, assim terá um o valor real do imóvel com condições plenas de moradia.

Despesas com reformas

Caso você não tenha uma reserva de dinheiro para imprevistos, é melhor repensar quando é, realmente, o melhor momento para iniciar a reforma do imóvel. Sempre surgem problemas como encanamento entupido, caixa de gordura cheia, caixa da água por limpar, pintura descascada, entre outros impasses.

Então, na hora de decidir realizar a reforma o ideal é fazer orçamentos com diversas empresas e profissionais. Compare preços para economizar. Contudo, não devemos pensar somente em valores, é de suma importância pesquisar, também, sobre a reputação do local. Principalmente, de quem for realizar a mão de obra. Nesse sentido, é recomendável sempre estar atento a todos os detalhes, para não sofrer com imprevistos.

 

Despesas com Mudanças

Por último, devemos pensar também nas despesas com mudanças, uma vez que elas são reais e demandam um maior cuidado para não fazer com nossos móveis e pertences sejam danificados. Atualmente, existem empresas especializadas para realização da mudança completa. Os profissionais vão até a sua residência e fazem a desmontagem de todos os móveis e embalam tudo com a maior segurança possível, dedicando mais atenção a objetos frágeis, para que não haja perdas de nenhuma natureza. Esse tipo de serviço pode custar caro, porém deve ser visto como um investimento. Essa é uma garantia de que os pertences que você tanto estima sejam entregues no seu novo endereço, com todo cuidado.

Despesas com mudança

Existem opções de transportes de mudanças que custam mais barato, mas, nesses casos, a desmontagem e montagem de móveis, assim como o empacotamento, devem ser feitos pela própria família ou podem ser terceirizados.

O preço da mudança pode variar de acordo com a distância e a quantidade de móveis e pertences. Se for mudar de uma cidade para outra, o transporte pode sair bastante caro, uma estratégia válida nesse momento e acordar um preço antes de fechar negócio. Elaborar um contrato simples pode garantir mais segurança para você.

Acesse o site da Silvio Iwata e confira nossas ofertas!

Você conhece as regras de convivência para Condomínios e Prédios?

Quem mora em condomínio ou em prédio residencial sabe que precisa conviver com os vizinhos diariamente e que existem regras a serem cumpridas, para o aproveitamento das áreas de uso comum.

A boa educação e o bom senso sempre vêm em primeiro lugar quando pensamos em convivência com o próximo. Mas, como os conceitos de educação e bom senso são subjetivos, existem normas e regras estipuladas por lei para que sejam preservados os direitos de todos.

Você que mora em prédio ou condomínio, sabe quais são as regras para a boa convivência?

Morar em Condomínio

 

 

 

 

 

Convenção de Condomínio 

Essas normas de convivência estão contidas na conhecida “Convenção de Condomínio”. Essa convenção é um documento que prevê as normas máximas que devem ser observadas e respeitadas por todos os moradores, independentemente de concordarem ou não com elas.

Essas normas devem se fazer cumprir pelo síndico e pelo corpo diretivo do condomínio. Essas diretrizes são definidas em reuniões e devem ser aprovadas por votação. Depois de aprovadas tem efeito de lei e só poderão ser alteradas em convocação específica para tal. Contudo, fica subentendido que tais normas não podem ser contrárias à lei e, quando for omissa em algum ponto, cumpre-se aquilo que a legislação determina.

Essas são as diretrizes básicas da regulamentação de qualquer condomínio.

 

Direitos de Utilização de Áreas Comuns

Sabemos que todo condomínio edilício possui espaços abertos a todos os moradores. São as áreas de lazer, como piscinas, churrasqueiras, salões de festas, parquinhos infantis, além de áreas comuns de trânsitos de pessoas, como halls, estacionamentos, elevadores, etc.

Então, cumprindo esse raciocínio, nenhum morador pode ser privado de utilizar essas áreas em detrimentos de outros. O que deve existir é, em alguns casos, uma lista de reservas para áreas como salão de festas, áreas de churrasqueiras, entre outros. A ideia é que existam normas para datas que sejam realizados eventos particulares de uma família, dentro do condomínio. Assim, além das regras de uso, deve haver determinações de limpeza do local, após o uso. Também, regras com relação ao volume de som, quando se estiver ouvindo música, por exemplo.

 

Uso da área da piscina

Quando o condomínio possuir piscina, nenhum condômino pode ser privado de usá-la. A não ser que alguém não esteja cumprindo normas para tal. Ou seja, sempre prevalecerá o que foi decidido em convenção. As normas para essa área vão desde utilizar roupas adequadas e próprias para banho, não se alimentar dentro da piscina ou jogar qualquer tipo de produto que suje ou tire as propriedades de utilização da água para banho, até restrição ao uso de determinados equipamentos dentro da água.

Além disso, pode ser exigido exame médico periódico de todos os moradores, a fim de evitar proliferação de doenças que podem ser passadas por meio do uso concomitante da água.

Piscina no Condomínio

Dessa forma, quando um morador não apresentar o atestado, poderá ser impedido de entrar na piscina. Do contrário, todas as restrições para o uso dessa área precisam ter justificativas plausíveis a todos os condôminos.

O mesmo é válido para as demais áreas comuns, ou seja, o que vale é a vontade da maioria. Tudo que é decidido em reuniões e for incluído nas diretrizes da convenção tem efeito sobre todos os moradores.

Então, os assuntos voltados á circulação das áreas comuns devem ser pautados nas reuniões. Assuntos como: a circulações de condôminos com bicicletas ou animais, forma de sorteio para uso de vaga de garagem, horário de funcionamento de salões, academia, sauna e outras dependências comuns, entre outros de interesse de todos devem estar bem definidos em normas da convenção.

A responsabilidade de convocar os moradores para reuniões em que serão pautadas e decididas todas essas normas e regras de convivência, fica com o síndico.

A convenção também deve estipular penalidades e multas para casos de descumprimento às normas pré-estabelecidas. Elas servem de referência para o síndico, para aplicação das mesmas ao administrar o condomínio.

 

Bom Senso significa Boa Convivência

Todavia, existem muitas situações em que o bom senso deve prevalecer. Situações que, muitas vezes, não estão explicitas nas normas, mas que são boas maneiras para se conviver em harmonia com o próximo. Um exemplo disso é “lei do silêncio”, que teoricamente deve ser cumprida após 22 horas. A verdade é que deve ser considerado o consenso entre todos que volumes exagerados podem atrapalhar bastante as outras pessoas.

Portanto, não podemos pensar somente no nosso bem estar, mas sim considerar as possíveis situações dos demais. Muitas pessoas podem ter bebês recém-nascidos que ainda dormem durante o dia, ou mesmo idosos ou pessoas doentes dentro de casa que necessitam de silêncio para repousar. Até pessoas mais jovens e saudáveis podem precisam de silêncio, seja para estudar ou se concentrar em alguma atividade a qual se dedique.

Bom Senso significa Boa Convivência

Muitos condomínios ainda têm regras definidas para mudanças e reformas que, na maioria das vezes, só podem ser realizadas em horários comerciais, para não atrapalhar o descanso dos demais.

Claro que estamos tratando de questões delicadas, uma vez que são subjetivas, ficando por conta o respeito ao direito do que a maioria decidiu ser melhor para todos. É importante sempre lembrar, também, que o seu direito se encerra quando o do outro se inicia.

Pode ser que existam situações em que devemos abrir exceções. Tudo dependerá de diferentes variáveis. Por isso, é necessário sempre usar do diálogo e do bom senso, visando apresentar soluções plausíveis para os problemas que surgem no decorrer do nosso cotidiano.

Saiba quanto custa construir uma casa

Saiba quanto custa construir uma casa

Quando pensamos em casa própria, há uma série de dúvidas que permeiam nossa mente, como saber o que vale mais a pena: construir uma casa ou comprar um imóvel novo?

Há uma certa dificuldade em tomar essa decisão, especialmente porque a maioria das pessoas não sabe ao certo quanto custa construir uma casa e se irão dar conta do trabalho que uma reforma acaba trazendo a todos.

Se você chegou até aqui, provavelmente quer entender mais como funciona o processo de construção de uma casa e todos os custos que envolvem realizar esse sonho tão comum aos brasileiros. Falaremos também um pouco sobre os cuidados com esse tipo de empreitada e as melhores formas de economizar sem perder a qualidade da obra.

Confira logo abaixo o que separamos!

Saiba quanto custa construir uma casa

Quanto custa construir uma casa? Números gerais!

Em geral, construir uma casa envolve alguns custos que não podemos prever e também escolhas pessoais, como o acabamento de cada cômodo e os materiais selecionados para a finalização – que costuma ser o momento onde há mais gastos e onde os custos comuns passam a ser diferentes para cada casa.

Agora, se falarmos em termos mais amplos, há um número que podemos chegar para se ter uma média do valor do metro quadrado, que gira em torno de R$1000,00, podendo ser mais alto ou mais baixo, dependendo da mão de obra e dos materiais escolhidos. Esse número foi confirmado por órgãos responsáveis e leva em conta o preço médio de materiais básicos, como tijolos e a hora paga para pedreiros ou construtoras.

 Leia também: “Como escolher tua casa de aluguel

Custos extras na construção de uma casa – Como defini-los?

Em uma obra, os custos são imprevisíveis na maioria das vezes e podem aumentar a cada escolha diferente, como as portas e janelas, por exemplo.

Para entendermos como definir esse tipo de gasto, é válido sempre pensar de uma forma ampla e levar em conta a obra dividida em duas fases: o básico e o acabamento.
Uma boa dica também é contar com a ajuda de um arquiteto e de um engenheiro, que poderão traçar um plano o mais próximo possível da realidade, a fim de evitar novas surpresas no meio do caminho.

Pesquisar o preço dos materiais que sua família deseja também ajuda bastante e pode ser fundamental para que a construção seja mais econômica.

Custos extras na construção de uma casa

Construir para vender ou alugar – Vale a pena economizar?

Muitas pessoas procuram construir casas para depois vende-las e , ao fazer isso, se deparam com o medo de não conseguirem fazer um bom negócio porque escolheram materiais de baixo custo para o acabamento, como janelas de alumínio ao invés de madeira, por exemplo. Obviamente, tudo isso reflete na escolha do comprovador e é válido pensar em alguns fatores:

  • As vezes, vale a pena optar por um terreno menor, mais barato e mais acessível e gastar o dinheiro extra com um acabamento de melhor qualidade.
    O resultado final pode ser o que mais agrada o cliente e não o espaço em si.
  • Nesse caso, faça um planejamento. Contrate um arquiteto e um engenheiro que possam fazer as famosas Smart Homes, que aproveitam o mínimo espaço para elevar o padrão e trazer mais conforto.
  • Já se a ideia for unir conforto e espaço de sobre, é importante ter a ajuda de um corretor para que ele possa avaliar a casa pronta e saiba exatamente quanto ela irá valer no mercado. Fazer o dinheiro gasto retornar é imprescindível.

E quem irá construir para morar, o que vale mais? Espaço ou acabamento?

Quem pretende construir para morar, ou seja, não deseja vender a casa em pouco tempo, precisa pensar de forma mais prática e a longo prazo.
A família pode crescer? Há o desejo de ter uma área de lazer? Tudo deve ser pensado antes de comprar um terreno. Afinal, a construção pode ser feita de forma mais lenta e gradual, mas a compra do terreno é algo mais imediato.

Em geral, a pessoas costumam optar por investir no espaço e construir com calma, estudando os materiais e abrindo margens para reformas futuras. Em todo caso, conversar com um corretor pode ser o suficiente para diminuir as frustrações na hora de escolher o terreno e alguns pontos devem ser considerados:

  • A dica principal é dar preferência para o espaço que mais irá pesar no futuro. Escolha um terreno que se adeque às suas necessidades presentes e também para daqui alguns anos. Comprar algo muito pequeno pode ser frustrante a longo prazo.
  • Não esqueça do local. Construir a casa do sonhos em um terreno onde a vizinhança não agrada ou que seja muito longe da escola dos filhos, por exemplo, é um caminho complicado e que pode gerar problemas em pouco tempo. Faça a escolha mais assertiva, independente do quanto você guardou para a construção.

Unir o terreno ideal com a casa ideal é sempre o melhor caminho. Para isso, conte sempre com um corretor e estude muito bem cada passo. E aproveite esse novo momento com a sua família!

Apartamento novo ou usado, qual comprar?

Apartamento novo ou usado, qual comprar?

O momento de comprar um apartamento novo chegou e esse costuma ser recheado de dúvidas, ansiedade e desejos que precisam ser cumpridos para que todo o processo acabe da melhor forma possível. Afinal, estamos falando de um investimento de longo prazo, que costuma ser visto como uma aquisição durável para toda a vida.
Logo, escolher o imóvel ideal é fundamental para a satisfação plena de todos os envolvidos.

E hoje iremos falar de uma das dúvidas mais comuns na hora de comprar um apartamento: será que vale mais a pena optar por um novo, recém construído ou um usado? E os imóveis que ainda estão na planta, são mais vantajosos? Vamos responder essa e outras perguntas logo abaixo. Confira!

Caso queira ver nossos apartamentos a venda clique aqui.

Apartamentos Novos – Vantagens para comprar

Esse texto tem como principal finalidade ajudar futuros compradores a comparar as vantagens de adquirir um apartamento novo ou usado. Para isso, vamos falar um pouco de cada um deles separadamente e entender o que eles trazem de benefícios. Em relação aos apartamentos novos, podemos citar:

Apartamento novo

  • Sem necessidade de reformas

Obviamente, essa é uma vantagem que deve ser considerada por todos que buscam comprar um novo imóvel. Os apartamentos novos geralmente são prontos para morar, com infraestrutura planejada, espaço inteligente e tudo no seu devido lugar. Ou seja, nesse tipo de imóvel é comum encontrar pisos de porcelanato já integrados em todo o espaço, paredes bem feitas, portas em excelente estado. Parece óbvio, mas a principal vantagem dessa escolha é ter tudo novinho em folha para ser inaugurado por você e pela sua família.

  • Fiação elétrica adaptada

Apartamentos novos costumam vir com tomadas instaladas em diversos locais da casa para suprir a necessidade moderna de inúmeros aparelhos ligados ao mesmo tempo. Além disso, toda a fiação é nova e você terá a certeza de que foi revisada pouco tempo atrás. Tudo isso dá mais segurança de forma geral, além de ser excelente para o bolso, já que dispensa a necessidade de uma reforma também na parte elétrica.

  • Parte de lazer estruturada

Outra boa vantagem é o lazer que os novos condomínios fazem questão de investir. Sabendo da alta procura por apartamentos novos, esse é um diferencial cada vez mais comum, com o benefício de não pesar tanto no valor mensal a ser pago – na maioria das vezes.

Ter piscina, academia e área verde no prédio pode ser bem interessante, ainda mais se levarmos em conta que essa será sua casa por um bom tempo. Quem tem criança costuma se beneficiar ainda mais desses detalhes cruciais.

  • Estrutura geral beneficiada na compra de um apartamento novo

Por fim, há quem goste de saber que o prédio é novo. E isso inclui todo o edifício e sua estrutura, como os elevadores, por exemplo. Além disso, outros detalhes podem ser mais interessantes em apartamentos novos, como vagas amplas na garagem e armários para armazenamento no subsolo. Tudo isso junto faz com que um imóvel recém construído seja uma opção a se levar em conta.

Apartamentos Usados – Vantagens em sua compra

Agora que já falamos sobre os apartamentos novos, é hora dos apartamentos usados. E, acredite, eles também contam com boas vantagens, capazes de nos deixar em dúvida sobre a melhor opção. Vamos à elas:

  • Amplitude do Apartamento

Apartamentos usados, especialmente os mais antigos, costumam ser muito amplos. Isso porque a ideia de compactar os cômodos é mais recente e não era tão comum algumas décadas atrás. Por isso, quem busca um imóvel usado, já sabe que irá encontrar mais amplitude, sem que isso necessariamente reflita no preço total.
Embora seja um costume precificar um apartamento pelo seu metro quadrado, isso é mais flexível quando se trata de um apartamento usado.

Famílias grandes, com capital para investir e que gostam de mais espaço interno podem preferir essa opção – ou ao menos considerá-la.

  • Preço do imóvel

Apartamentos usados são mais baratos na maioria das vezes, já que costumam pedir algumas reformas mais básicas, como mudanças de pisos e de azulejos, por exemplo. Isso pode ser visto como uma vantagem, especialmente por famílias que buscam mais espaço e não se incomodam em esperar um pouco mais para a mudança ser feita.

  • Localização do apartamento

Ainda falando um pouco mais sobre a relação preço e benefício, os apartamentos usados costumam ser mais baratos, mesmo quando bem localizados.

Quem busca uma localização específica, pode precisar estudar a possibilidade de um imóvel mais antigo, pois os novos acabam sendo valorizados excessivamente dependendo do bairro onde estão localizados. Unindo um preço mais baixo com o espaço, a família pode encontrar o apartamento ideal, no local ideal e economizando – mesmo apesar das reformas quando desejadas pela familia.

Imóvel com a melhor localização

Apartamentos na planta – Vantagens

Por fim, vamos citar os principais benefícios em relação aos apartamentos na planta. Vamos à alguns das principais vantagens em comprar um apartamento na planta deles:

  • Mais liberdade de escolha na compra

Um apartamento na planta conta com mais liberdade de escolha de diversas características básicas, como o lado onde irá bater mais sol, por exemplo.
Isso acontece porque geralmente ainda há muitos imóveis disponíveis, permitindo que o comprador possa entender escolher aquele que mais se adeque às suas necessidades e de sua família. Além do quesito luminosidade e calor, é possível também escolher o andar, o número de vagas na garagem e até a vista da varanda.

  • Personalização do apartamento

Diferente dos apartamentos novos prontos, os que estão na planta podem ser personalizados conforme o comprador desejar. Isso incluí pisos, azulejos, móveis planejados e, em alguns casos, até a disposição das paredes e a opção de colocar ou não ar-condicionado. Tudo isso traz mais personalidade ao resultado final e geralmente compensa a espera pela entrega do imóvel.

  • Custo dos apartamentos na planta

Por fim, os imóveis na planta costumam ser mais baratos do que os prontos, embora este não costume ser o principal motivo para que eles sejam escolhidos. O quesito preço vai um pouco além e interfere também nos valores de entrada e parcelamento, que têm possibilidade de serem mais flexíveis, já que o imóvel ainda não está pronto. É uma vantagem a ser considerada, especialmente por quem está disposto a esperar pelo seu lar.

Com essas vantagens em mãos, é hora de escolher seu apartamento. Consulte nossos corretores e veja qual a melhor opção para você e para a sua família!

Conheça os apartamento aqui na silvio iwata

Entenda sobre o financiamento de imóveis

Entenda sobre o financiamento de imóveis

Tipos de financiamento de imóveis

Adquirir a casa própria é um sonho que faz parte da vida de quase todos os brasileiros, que acabam muitas vezes se deparando com a falta de informação sobre os diferentes tipos de financiamento de imóveis, valores de entrada e até mesmo formas de parcelamento que sejam acessíveis e caibam no orçamento familiar.

Tudo isso torna o projeto cada mais inviável e que vai sendo adiado por anos, fazendo com que haja uma dificuldade enorme de decidir o próximo passo.

Para ajudar quem está em busca de mais informações sobre os tipos de financiamentos de imóveis, hoje separamos os principais deles, com algumas dicas gerais para se inscrever e ter acesso a eles de forma simples e sem muita burocracia.

Confira tudo que separamos logo abaixo!

 

Entendendo mais sobre financiamentos de imóveis

Financiamento de imóvel é um empréstimo destinado para a compra de casas, apartamentos, terrenos ou mesmo salas e espaços comerciais.

É feito um contrato diferenciado, que geralmente se estende até por 360 meses, com juros que podem variar dependendo do modelo.

O financiamento imobiliário costuma ser comum em todas as imobiliárias do país que trabalham com venda de imóveis e é uma forma segura de garantir a compra mesmo quando não há o dinheiro a vista para a quitação total.

Financiamento de imóveis

O valor de entrada varía bastante, dependendo do tipo de imóvel, se é novo ou usado, se há um valor mínimo exigido pelo proprietário ou construtora e devido à negociação geral. Tudo isso deve ser conversado com o corretor, o cliente e o dono do imóvel para que todos entrem em um acordo adequado para a necessidade geral. Nós da imobiliária Silvio Iwata, deixamos tudo pronto para vocês! (tire tuas dúvidas com um corretor nosso).

Tipos de financiamento de imóveis

É importante saber que o tipo de financiamento de imóvel escolhido irá depender de vários fatores, como valor de entrada disponível, renda mensal e até mesmo o local de compra e estrutura do imóvel. Por isso, conversar com um especialista é fundamental para que haja um consenso da melhor opção para cada família.

Afinal, esse parcelamento muitas vezes se estende para vida toda. Vamos entender quais são os tipos mais comuns de financiamento:

– SAC

O SAC (Sistema de Amortizações Constantes) é um tipo de financiamento bem comum no país e tem como principal característica a variação dos juros cobrados ao longo do processo. Isso significa que o valor das parcelas diminui conforme o tempo passa, já que os juros são revistos de acordo com o valor total da dívida.

E, sem dúvidas, essa é a grande vantagem de fazer um financiamento pelo SAC, pois diminui as chances ao longo dos anos de inadimplência por algum imprevisto qualquer que possa surgir – como a perda de emprego, por exemplo.

– Minha Casa, Minha Vida

O financiamento de imóveis mais famoso do país e um dos que trazem mais dúvidas é, com certeza o Minha Casa, Minha Vida. Embora a maioria das pessoas acredite que ele seja apenas para imóveis de valor muito baixo, isso não é verdade absoluta.

O programa é bem mais amplo do que a população pensa e pode beneficiar até mesmo a compra de imóveis acima de 200 mil reais. De forma bem resumida (pode ver o nosso post sobre o que é minha casa minha vida completo), ele é um incentivo do governo para a compra da casa própria e, em muitos casos, há um subsídio para que ela de fato ocorra. Ou seja, há um desconto no valor total, que pode chegar até a 50 mil em alguns casos.

Minha Casa Minha Vida

Para se inscrever, procure nossa imobiliária e veja os imóveis de seu interesse que estão cadastrados no Minha Casa, Minha Vida. Um corretor poderá te ajudar nesse processo e indicar como começa-lo mais rapidamente.

Além desses dois tipos mais comuns, também temos o sacre e o sistema price, que é menos recorrente, embora possa existir em alguns casos.
Independente do tipo de financiamento, a dica é sempre procurar um corretor em compra e venda para que haja um acordo benéfico para todos os envolvidos no processo.

Cuidados ao financiar um imóvel

Depois de entender ao certo qual o tipo de financiamento escolhido e qual o imóvel, alguns cuidados são importantes:

Sempre tenha a documentação do seu financiamento à mão e evite ao máximo deixa-la em locais não seguros. Você pode precisar confirmar algum dado e precisa saber onde encontrar o contrato e os documentos sempre que precisar.

Converse com um corretor sobre suas opções e seja honesto sobre suas condições reais de pagamento. Mesmo que sua renda seja aprovada, as vezes uma parcela muito alta não seja o ideal, especialmente se o seu estilo de vida não combina com ela. Tenha uma conversa com o corretor e fale sobre suas preocupações a longo prazo.

Pesquise sobre os tipos de financiamento na imobiliária e veja qual deles é mais atrativo, levando em conta seu padrão de vida e suas condições gerais. Vale a pena também procurar escolher o imóvel ideal, pois o financiamento pode durar mais de 300 meses.

Dicas sobre como escolher o teu imóvel de aluguel

Dicas sobre como escolher o teu imóvel de aluguel

Como escolher o teu imóvel de aluguel?

Viver de aluguel pode ser um desafio para quem precisa, está acostumado a se mudar constantemente por não saber ao certo como escolher o lugar perfeito para morar. O problema acontece muito mais por causa da falta de planejamento do que devido ao modelo de contrato em si, já que a maioria das pessoas que se mudam com frequência o fazem porque erraram ao escolher o imóvel de aluguel ideal para suas necessidades e da sua família.

Para ajudar nessa tarefa, o artigo de hoje irá trazer algumas dicas relevantes a respeito deste assunto tão importante e atual – levando em conta que os contratos de aluguel nos dias de hoje são bem mais frequentes do que compra e venda. Também falaremos um pouco sobre quem decidiu colocar seu imóvel disponível para este tipo de investimento.
Confira!

Imóvel de aluguel – O que preciso levar em conta?

Se você precisa mudar de casa e utiliza como moradia um imóvel de aluguel, este é um momento decisivo, onde escolher a casa ideal para alugar deve ser a hora onde a sensatez e o planejamento tomam conta do processo como um todo. Algumas dicas são essenciais para não errar ou pelo menos minimizar as chances de erro consideravelmente:

escolher a casa ideal para alugar

Saiba quais são as necessidades em relação ao espaço do imóvel

Ninguém deseja se mudar constantemente e o desejo da maioria das pessoas que optam por imóveis de aluguel é poder se manter o mais tempo possível nele, renovando o contrato todos os anos.

Mas isso só será possível se o tamanho da casa e o espaço como um todo for ideal para você e para a sua família.
Por isso, vale a pena consultar um corretor, que irá entender todos os aspectos mais importantes a serem levados em conta, como número de moradores, potenciais filhos e até mesmo comportamento da família – se trabalham em casa ou não, por exemplo.

Casas para alugar, use o nosso buscador!

Tudo isso é essencial para que o imóvel de aluguel seja o ideal para cumprir todas as necessidades, sem que se seja preciso haver a mudança a cada novo item.
O espaço deve estar adequado não só ao que o casal ou a família deseja agora, mas também ao que pode desejar no curto e médio prazo. O corretor irá pensar mais além, enxergando possíveis mudanças futuras e isso irá diminuir os riscos de insatisfação com o imóvel. A ajuda de um profissional nessa hora pode fazer toda a diferença!

Saiba sobre suas necessidades em relação à localização do imóvel

Assim como o espaço, a localização é um fator importante para que haja uma satisfação com o imóvel de aluguel por mais tempo e não será necessário se mudar a cada nova mudança de hábitos.
Escolher apenas pensando no preço é comum entre quem precisa se mudar rápido e este é um erro que torna o processo de adaptação bem mais difícil e muitas vezes exigindo a procura por outra casa em pouco tempo.

Vale a pena pensar com calma, mesmo que este seja um momento essencialmente de ansiedade. O corretor também irá ajudar a clarear as ideias e promover uma melhor escolha junto com a família, que passará a entender esses fatores como fundamentais para o bem-estar de todos.

Localização do imóvel

Preferência pessoais na hora de alugar tua casa

Depois de pensar sobre o espaço em si e como ele irá acomodar toda a sua família, pensar na localização e no valor, é hora de analisar as suas preferências pessoais.

Por exemplo, há quem goste mais de cozinhas grandes e não se importe com o quintal e vice-versa. Veja o que mais se encaixa no seu sonho de moradia e siga nessa direção. Muitas vezes, por se tratar de um imóvel de aluguel, as pessoas são menos enfáticas no que desejam e por este motivo se mudam com muita frequência.

Sua família gosta de jardim? Quintal? Varanda? Converse com seu corretor e passe essas informações à ele, sempre tentando alinhar suas expectativas com suas condições no momento.

Veja também o post: "Como escolher uma casa com Jardim"

E quem irá colocar um imóvel disponível para aluguel, quais os cuidados?
Falamos sobre quem irá alugar um imóvel de aluguel e quais os cuidados antes de fechar o negócio, mas e quem pretende investir no aluguel do seu imóvel ou empreendimento? O que deve pensar?

Em suma, a dica principal é sempre procurar um corretor para que ele possa avaliar de forma justa e honesta o quanto ele vale e quais serão as estratégias de promoção para que o processo flua mais rapidamente. Além disso, algumas dicas são importantes:

Sempre tenha sua documentação em dia

Embora seja um imóvel de aluguel, a documentação precisa estar em dia, especialmente as que comprovam no nome de quem ele está. Com a ajuda de uma imobiliária e do corretor, é possível saber quais são esses documentos e como consegui-los em caso de inexistência.

Sempre prefira o processo por uma imobiliária

Alugar para terceiros sem a intervenção de uma imobiliária pode ser arrisco, especialmente porque não haverá nenhuma garantia de pagamento – que costuma existir quando um corretor está por trás das negociações.
Em geral, para locatário e locador, os cuidados devem existir e o processo deve ser feito sempre com a ajuda de profissionais acostumados com esse tipo de negociação, para evitar erros, arrependimentos e problemas de legislação, como quebras no contrato ou mesmo danos ao imóvel de aluguel. Tudo deve estar respaldado pela lei e dentro daquilo que ambos precisam.

Como escolher sua casa com jardim?  

Como escolher sua casa com jardim?  

Na hora de comprar ou alugar uma casa, temos que pensar em tudo que ela envolve, desde seus cômodos, sua distribuição de espaço, conforto e segurança até mesmo a área externa, como o jardim. É o sonho de muitas pessoas ter uma casa com jardim, afinal, ele traz aquela sensação gostosa de estar mais próximo da natureza, mesmo quando moramos em uma cidade grande.

Mas como alugar casas que tenham esse espaço sem adquirir junto com elas uma dor de cabeça no futuro? No artigo de hoje, vamos explicar melhor um pouco sobre os jardins e tudo que você precisa saber antes de optar pelo seu novo imóvel com essa característica tão importante para algumas pessoas. Confira tudo que separamos logo abaixo!

 

Casas com Jardim – Existem benefícios?

Obviamente, quando pensamos em alugar casas, não queremos sair em pouco tempo, já que a mudança é algo trabalhoso e desgastante para todos os membros da família. Por isso, é muito importante pensar em uma casa com detalhes que ela possa ter, como o jardim. Afinal, será que morar em um lugar sem um pouquinho de verde não vai te incomodar ao longo do tempo? Vamos entender um pouco mais os benefícios desse espaço:

 

Estética

Em primeiro lugar, a estética! Casas com jardim são bem mais bonitas e chamam mais atenção. Mesmo que o jardim esteja nos fundos, ter um espaço com muito verde pode proporcionar um momento bem relaxante para você e para a sua família. Estudos indicam que apenas observar as plantas diminui o estresse em até 20%. Embora ainda não hajam comprovações exatas deste número, todo mundo concorda que um tempo em meio a natureza recarrega as energias.

Estética melhorada com a casa de jardim

Quem pretende alugar sua casa, investir em um jardim é um bom negócio, pois valoriza o imóvel e o deixa bem mais propenso a ser alugado com facilidade. O mesmo vale para quem vai vender ou pretende negociar uma troca. O jardim agrega beleza e beleza é sinônimo de mais vendas em todos os setores.

 

Qualidade de vida

Ter uma casa com jardim é sinônimo de mais qualidade de vida pois, como dissemos, as plantas diminuem o estresse apenas por estarem ali. Mas não é só isso: você poderá interagir com elas, mexer na terra, passar um tempo limpando a mente. Isso reduz ainda mais a ansiedade e o estresse. Por fim, ainda há a opção de plantar seus próprios temperos, pois o espaço é favorável à isso. Jardim melhora a casa e melhora a vida!

Ecologia no jardim de sua casa, reflexo de descanso

Ecologia

Agora precisamos falar da consciência ecológica de quem tem um jardim. Ele irá reter mais água, evitar enchentes, problemas de saúde dos familiares – como alergias da poluição – e melhorar a qualidade do ar. Dependendo do tamanho do seu jardim, ele pode ser um grande diferencial para a ecologia em geral, especialmente se tiver árvores. Casas com jardim ajudam bastante a melhorar o ecossistema local.

 

Como escolher as plantas do meu jardim?

Você alugou uma casa com jardim e agora não sabe ao certo quais plantas irá colocar nele e nem mesmo quais deve manter. Se puder, nós indicamos que procure um paisagista para te auxiliar ou faça uma análise por si só de alguns fatores:

 

Aluguel, venda ou compra?

Primeiro, analise se você está alugando, vendendo ou comprando uma casa. Se você irá morar em uma casa de aluguel e quer investir no jardim, vale mais a pena optar por aquelas que podem ser removidas, caso a família se mude em um futuro próximo. Também será importante conversar com o proprietário e ver a possibilidade de árvores na residência. Se houver autorização, elas ajudam na qualidade do ar e promovem sombra no quintal.

aluguel ou venda?

Já quem irá investir no imóvel, seja para a venda ou aluguel, a dica é saber quanto se está disposto a gastar e qual a pressa para que o jardim fique com uma aparência perfeita para agradar os futuros compradores ou locatários. Lembre-se da valorização que o jardim traz ao imóvel de maneira geral e deixe-o o mais bonito possível para impressionar quem irá visita-lo.

 

Tempo de cuidado

Quem alugar uma casa com jardim deve saber qual o tempo que dispõe para cuidar dele ou se tem como contratar uma pessoa responsável por este processo. Vale a pena saber escolher as plantas se for possível ou fazer um planejamento sobre o espaço para ter certeza de que poderá mantê-lo sempre em ordem e bonito. O tipo de jardim também interfere muito no quesito tempo e é válido optar por aquele que se adequa mais às suas necessidades gerais.

 

Família

Qual o tamanho da sua família? Tem animais, cachorros, gatos? Analise tudo isso antes   de escolher as plantas e o jardim, para não prejudicar sua família ou mesmo seus pets. Animais e crianças adoram jardins, por isso, vale a pena optar por uma casa com um quando temos uma família nessa estrutura. Arvores também são ótimas opções para crianças, que podem buscar as frutas no pé e brincar na sombra sem grandes problemas.

Família no Jardim

Em geral, jardins são excelentes para famílias e qualquer pessoa que adore natureza e queira ter mais qualidade de vida. Nossa dica é que você estude aquele que mais se encaixa nas suas necessidades e descubra a melhor opção para sua família. Porém, se bater a duvida, não pense duas vezes e escolha sua casa com o jardim ou o espaço para ter o seu sonho realizado. Fale com o seu corretor de imóveis, ele irá saber te ajudar!

Você conhece o Programa Minha Casa Minha Vida?

Você conhece o Programa Minha Casa Minha Vida?

Com o objetivo de reduzir o Déficit Habitacional, o Governo Federal com a participação dos Estados, Municípios e Empresas do setor da Construção lançou em março de 2009 o Programa Minha Casa Minha Vida para realizar o sonho da casa própria da população. Por ser um programa social os compradores, dependendo da renda recebem subsídio do Governo Federal, ou seja, um desconto para adquirir o seu imóvel.

 

Como funciona o Programa Minha Casa Minha Vida?

 

Você deve estar se perguntando: como funciona esse programa? A propósito, uma grande parte da população ainda desconhece ou não sabe como aproveitar as vantagens do Programa Minha Casa Minha Vida, sendo um procedimento bem simples e rápido.

Primeiramente, é importante que você procure uma Imobiliária de Confiança e tenha uma perspectiva dos imóveis disponíveis para este tipo de Financiamento. Atualmente as oportunidades de negócio são diversas, pois várias construtoras têm se dedicado a edificar obras que se enquadram neste Programa.

Você conhecerá também os valores e formatos de pagamento através de uma simulação, que é definida pelo próprio sistema do banco e que leva em consideração:

  • Informar Sua Renda para Minha Casa Minha Vida;

  • Seu tempo de Contribuição FGTS;

  • Idade do beneficiário do Programa;

  • Dados do Conjuge a participar da compra do imóvel;

  • Nome “limpo” do comprador, entre outros.

    Então, você conhecerá o seu potencial de financiamento.

Se os valores encaixarem em seu orçamento, é hora de reunir os documentos exigidos pelo Banco. Esses documentos serão enviados aos correspondentes bancários da Caixa Econômica Federal ou Banco do Brasil; somente estes bancos estão autorizados a financiar no programa do Governo. Após isso, serão feitas analises cadastrais e análises de renda, sendo na maioria das vezes um processo automatizado.

Vale ressaltar que as pessoas interessadas precisam ter um bom histórico financeiro ou sanar as suas pendências mais rapidamente para que seu processo siga com tranquilidade.

Na sequência, após analisado, você conhecerá o valor total de financiamento liberado, que representará uma parte do valor do imóvel que você quer comprar. O restante deverá ser pago através de Entrada e Parcelas. Atualmente as Construtoras facilitam bastante essa etapa, para que os valores caibam no seu bolso. 

Click e conheça nossos lançamentos

Fique por dentro de todos Lançamentos da Silvio Iwata

 

Requisitos básicos para participar do Programa Minha Casa Minha Vida

 

Para participar do Programa, vale lembrar que imóvel objeto da compra deverá ser novo ou em construção e enquadrado no programa. Para os compradores uma das grandes vantagens é obter as menores taxas de juros habitacionais do mercado.

Alguns requisitos são necessários para participar da campanha do governo; a principal delas é não possuir imóvel, pois, o proposito do programa é adquirir o seu primeiro Imóvel. Porém existem regras para pessoas que já adquiriram imóvel mas venderam antes de Maio de 2005; nesse caso os mesmos terão direito ao benefício do Governo.

Até hoje, diversas famílias aproveitaram as facilidades de compra; juros, parcelamento e subsídio que o programa oferece. Tem sido uma grande ajuda para a população que deseja ter um imóvel próprio.

 

Se informe sobre os nossos Lançamentos com o Programa Minha Casa Minha Vida.

Mercado Imobiliário – Está na hora de comprar um imóvel?

Mercado Imobiliário – Está na hora de comprar um imóvel?

Post - alta nos imóveis 2

Muitas pessoas tem o sonho de comprar a casa própria e sair do aluguel, de mudar para um lugar mais cômodo, ou até investir em um imóvel. Mas qual é a hora certa para comprar?

Em entrevista para a ISTOÉ, especialistas afirmaram que 2014 foi um ótimo ano para se comprar um imóvel para morar. O preço médio dos imóveis subiu menos no ano passado do que nos últimos anos, segundo uma pesquisa realizada pela FipeZap. A pesquisa foi feita em 20 cidades brasileiras, e o resultado mostra que foi a menor variação nos últimos quatro anos. Em 2014, o valor subiu pouco a mais do que a inflação estimada: apenas 6,7%. Um valor muito abaixo se comparado com os últimos anos, que tiveram um aumento de 26,3% em 2011, 13,7% em 2012, e 12,7% em 2013.

Em uma outra pesquisa realizada pela Franklin Templeton Investimentos, 23% dos empresários e investidores brasileiros acreditam que os imóveis serão a melhor opção de investimento para os próximos 10 anos, número alto considerando a quantidade de investimentos que podem ser feitos em todas os setores da economia.

Seja comprar um imóvel para morar ou investir, tudo aponta que 2015 será um ótimo ano para a compra de imóveis. Entre em contato com a Imobiliária Silvio Iwata e conheça os nossos imóveis!

http://www.silvioiwata.com.br/

Dicas para um modo de vida sustentável

Dicas para um modo de vida sustentável

sustentabilidade

A sustentabilidade está sendo muito falada nos últimos anos, devido à preocupação com o meio ambiente e ao futuro do planeta. As mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global e aceleração da degradação dos recursos naturais são os principais pontos citados quando se toca no assunto, e muitas pessoas já estão fazendo a sua parte, adotando um modo de vida sustentável. Mas como fazer isso? Confira algumas dicas de sustentabilidade para a sua casa:

– Reciclagem: a quantidade de lixo produzido diáriamente pelas pessoas é enorme, e muitos deles podem ser reaproveitados. Separe o lixo orgânico do reciclável, descarte o lixo eletrônico, como pilhas, baterias, lâmpadas fluorescentes, etc, em lixos apropriados. Saiba também os horários da coleta seletiva, pois não adianta saber como jogar o lixo fora se não sabe para onde mandá-lo.

– Use produtos biodegradáveis: esses produtos são feitos de microorganismos vivos que, ao entrarem em contato com o meio ambiente, se decompõem de forma natural e rápida, e não danificam o meio ambiente. Os produtos biodegradáveis agora contam com um selo específico para que as pessoas saibam qual comprar, como as sacolas plásticas que são utilizadas na embalagens de alguns produtos alimentícios e garrafas d’água, que são feitos a partir do óleo vegetal.

– Economia de energia: O Sol é a nossa maior fonte de luz e energia, então sempre que possível prefira a claridade natural. Utilize lâmpadas fluorescentes, pois o gasto com energia é muito menor do que uma lâmpada comum. Desligue também os eletrônicos que não estão sendo utilizados, pois além de diminuir o dano ao meio ambiente, diminui o gasto com a sua conta de energia.

– Economia de água: evite o desperdício de água. Feche bem a torneira quando não estiver utilizando, ao escovar os dentes ou lavar a louça. Reaproveite a água da chuva ou da máquina de lavar para lavar a calçada e prefira a lavagem a seco ao limpar o carro.

Essa são pequenas mudanças no seu modo de vida, mas que contribuem imensamente para o futuro do planeta.